Opinião: como Mikel Arteta pode transformar um tão longe em um tão perto

Apesar da temporada não tão boa nos campeonatos nacionais, o Arsenal chega mais uma vez a uma semifinal de UEFA Europa League. Será que chegou a hora dos Gunners?

O Arsenal Football Club sempre foi um time grande dentro da Inglaterra. São 13 vezes campeão do Campeonato Inglês, 14 Copas da Inglaterra, três Copas da Liga Inglesa e 16 Supercopas da Inglaterra. Ser um dos principais detentores de títulos nacionais em um dos países tão importantes na história e no desenvolvimento do esporte não é a tarefa mais fácil do mundo.

Apesar da grandeza, é bem verdade que o Arsenal não é o maior entre os maiores. Dos times do Big-6, é um dos dois da lista que não tem títulos internacionais de relevância, junto com o Manchester City. A única taça internacional que os dois times têm é a Recopa Europeia, extinta em 1999, que deu lugar à atual UEFA Europa League. O interessante da temporada atual é os dois títulos tão esperados podem sair quase juntos: o City está classificado para as semifinais da UEFA Champions League e o Arsenal permanece vivo na UEFA Europa League.

Porém, a temporada dos dois tem lá suas diferenças. Enquanto o Manchester City de Pep Guardiola vive um dos seus auges fora e dentro da Inglaterra, com 11 pontos de diferença para o vice-líder da Premier League, o Arsenal vê muito mais dificuldades no campeonato nacional. Está em uma pacata 9ª posição, com times como Everton, West Ham e Lesceiter na sua frente, além de Leeds e Aston Villa colados com um ponto de diferença.

Ano novo, velhos problemas

A inconsistência do Arsenal não é de hoje. Mesmo quando parecia imbatível, os Gunners não conseguiram sua tão sonhada glória internacional. Na temporada 2003/04 por exemplo, o título da Premier League ficou no Emirates Stadium após o time de Arséne Wenger terminar o campeonato invicto, com 26 vitórias e 12 empates em 38 jogos. Porém, quando chegou na UEFA Champions League, o time não conseguiu demonstrar tanta dominância assim: apesar de terminar em primeiro do grupo, com duas vitórias e quatro empates, foi eliminado nas oitavas de final para o Bayern de Munique.

Não é falta de investimento. Segundo a lista da Forbes de times mais valiosos do mundo, o Arsenal permanece na 8ª posição, com 2,8 bilhões de dólares. Apesar de todos os investimentos e patrocínios, o time não consegue transformar o dinheiro em títulos importantes. E também não é por falta de tentativa: em 2005/06, o título da Champions estava na mão dos Gunners, principalmente depois de abrir o placar contra o Barcelona no primeiro tempo. Mas parece que não era pra ser. Com gols de Eto’o e Belletti na segunda etapa, o que parecia um final feliz virou tragédia. Na Europa League, o Arsenal também chegou à final na temporada 2018/19, mas perdeu para o rival londrino Chelsea.

Mikel Arteta chegou em dezembro de 2019 justamente para mudar isso. O ex meio-campista que já tinha defendido as cores do escudo Gunner de 2011 a 2016, voltou à casa depois de seu período como assistente de Pep Guardiola no Manchester City. Foi uma aposta da diretoria por ser a primeira experiência do espanhol no comando de uma equipe principal, mas já vemos que começou a dar resultados: a FA Cup de 2019/20 e a Supercopa 2020 foram os primeiros títulos desde 2017.

A inconsistência permanece sendo um problema recorrente na temporada atual. Na Premier League, são 13 vitórias, seis empates e 12 derrotas. O péssimo início de campeonato fez o time de Mikel Arteta ocupar a segunda parte da tabela em grande parte da competição e as consequências disso se replicam na tabela atual: enquanto o Arsenal permanece em 9º lugar, com grandes chances de não terminar nem com a vaga na UEFA Europa League, e assistir times com menos investimentos, como West Ham e Everton, sonhar com as vagas na Champions e Europa League.

Além dos problemas recorrentes no Emirates Stadium, os Gunners ainda têm que lidar com a falta do artilheiro e uma das principais lideranças do time, como é Aubameyang. Para um jogador que terminou a última temporada com 22 gols, dividindo a vice-artilharia com Danny Ings do Southampton, a temporada atual tem apenas nove gols na conta. Além da má fase dentro de campo, o atacante confirmou na última quinta-feira (15) que contraiu malária durante a data FIFA e estava hospitalizado. Mesmo com o jogador falando que se sente melhor, pode ser desfalque importante para os próximos jogos.

As respostas não tão óbvias

A resposta para os problemas enfrentados por Mikel Arteta estavam bem na sua frente o tempo inteiro: os mais jovens da equipe. No caso de Bukayo Saka e Emile Smith Rowe, literalmente as pratas da casa. A dupla subiu da base dos Gunners para o profissional na temporada passada e hoje ganham cada vez mais espaço no time titular. A classificação para as semifinais da Europa League, que aconteceu na última quinta-feira (15), é a prova da importância da base na temporada Gunner. Smith Rowe e Saka foram, mais uma vez, peças centrais da vitória por 4 a 0 no Slavia Praga fora de casa.

Além dos dois jovens e o brasileiro Gabriel Martineli, que também já está no time desde a temporada passada, as contratações também ganharam mais espaço. Kieran Tierney, que veio do futebol escocês, ganhou lugar cativo no time titular das duas competições. Martin Ødegaard, que chegou no começo do ano emprestado do Real Madrid, também funcionou bem no meio-campo junto com Saka e Smith Rowe. Enquanto isso, contratações mais pesadas, como William, não conseguiram se encontrar ainda.

Para a falta de Aubameyang, Alexandre Lacazette está dando conta do recado. Com 13 gols na Premier League, o francês que está nos Gunners desde 2017 vem vivendo a melhor fase de sua passagem pelo Emirates Stadium. Além de dar uma experiência diferente para o time, o atacante também funcionou bem junto com as novas peças de meio-campo.

Inicialmente, o plano era deixar a Europa League ter um time mais alternativo e dar mais atenção para a Premier League. Mas conforme as competições foram se desenhando, o título europeu é muito mais palpável do que a vaga na Champions pelo campeonato nacional. Mikel Arteta conseguiu dar mesclar à experiência com a juventude e a experiência e fez o time dar liga.

Talvez seja cedo demais para pensar em título? Sim. Afinal, o Arsenal enfrenta o Villarreal que também vive grande fase na Europa League e encontra alguém bem conhecido: Unai Emery, que ficou duas temporadas no comando dos Gunners até a chegada de Arteta. Além das semis, tem a final onde encontrará com Roma ou o rival Manchester United. Porém, é uma solução que pode funcionar para esta e para as próximas temporadas.

Foto de destaque: Getty Images

Um comentário sobre “Opinião: como Mikel Arteta pode transformar um tão longe em um tão perto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s