Raízes Negras: Tinga, o homem que carrega o bairro no nome

Jogadores negros no Brasil, ou em qualquer outro país, sempre tiveram que ter bem mais que um bom futebol para estar dentro de campo e Paulo César é um deles

Talvez o nome Paulo César seja estranho para você. Mas, quem ama futebol conhece bem um certo jogador apelidado carinhosamente por Tinga. E é exatamente sobre ele, que o Raízes Negras vai falar na coluna de hoje.

Como muitas das crianças no Brasil, um dos maiores sonhos é ser jogador (a) de futebol, conseguir dar uma condição de vida melhor aos seus pais e escolhem o esporte como meio para conseguirem isso. Tinga, em 1997, quando começou a ganhar visibilidade no futebol do Sul, disse em entrevista ao repórter Regis Rösing:

“Já prometi pra ela que isso aí vai mudar”.

Tinga viu isso rapidamente se tornar realidade. Ainda como promessa do Tricolor de Porto Alegre, Tinga conseguiu não só o respeito, mas também a admiração da torcida gremista. Todo esse respeito chegou na arquibancada do antigo Olímpico, quando a torcida reproduziu uma das mais populares músicas de uma escola de samba local: “TINGA, TEU POVO TE AMA”.

Apesar de Paulo Cesar ter mudado a história de sua família e tantas outras, há algumas coisas que infelizmente não mudam: O racismo. Tinha conta que em um jogo de 2001, Ronaldinho Gaúcho marcou e correu pra abraça-lo dizendo:

“Esse gol é pra nós, que somos da Vila”.

Aparentemente, ser da Vila e ter a pele mais escura ainda é um problema. Tinga carrega no nome o seu bairro: Restinga, onde nasceu e foi criado.

Tinga sempre foi respeitado por todos os clubes que jogou e foi ídolo em alguns deles. Jogador de marcação forte, goleador, disciplinado e presente nos quatros cantos do campo, o jogador foi um dos atletas mais importantes do Internacional entre 2005 e 2006.

Ídolo no Internacional, um dos jogadores mais respeitados do Cruzeiro e do Borussia Dortmund da Alemanha, sempre foi um jogador sério, tanto fora como dentro de campo, jogador que unia o grupo e extremamente focado. Alguns dos seus ex-treinadores confirmam isso, como Marcelo de Oliveira:

“Tinga sempre foi referência para os mais novos”.

Apesar de tanto esforço, gols, títulos conquistados e etc, nada foi capaz de dar fim ao racismo que sofria. O jogador conta que em 2005 já chegou a ver imitações de macaco vindo da arquibancada sempre que tocava na bola. Chegou também a ouvir ao final de um jogo no Peru, mais falas racistas por parte de alguém na torcida.

Tinga foi mais uma vez forte e falou com os repórteres após a partida:

“Se pudesse não ganhar nada e ganhar esse título contra o preconceito, eu trocaria todos meus títulos por igualdade em todos os lugares, todas as áreas e classes”.

E é isso! Continuemos na luta, pois o racismo está longe de acabar. Tinga pode ter certeza de uma coisa, foi exemplo para milhares de crianças e mais importante ainda, para milhares de crianças negras com o mesmo sonho, sem dúvidas ele tem a representatividade.

Foto de destaque: Reuters

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s