O futebol feminino só precisa de dinheiro para crescer? Entrevista exclusiva com Tabata Viana

A categoria vem de uma crescente desde a Copa do Mundo da França, em 2019

O futebol feminino sempre passou por várias ondas, as quais vinham em época de Copa do Mundo ou Jogos Olímpicos, e depois logo passavam. A falta dos campeonatos fixos e de investimento interferiam diretamente na relação de visibilidade da categoria.

Um dos grandes marcos desse problema no Brasil foi o pedido de apoio no final da Copa do Mundo de 2007 (foto), a qual a Seleção Brasileira perdeu a final para a Alemanha e trouxe o prata para casa. Desde aquele momento, algumas coisas vêm mudando no futebol feminino, em principal, no Brasil.

“A casa está sendo arrumada. Você tem a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) olhando as federações e tentando dar um suporte”. Quem conta isso para o Rainhas do Drible é a Coach e ex-jogadora de futebol Tabata Viana.

Este comentário tem muito a ver com a Copa do Mundo da França, em 2019. Neste momento, o futebol feminino encontrou-se em uma nova onda, um momento de recordes. Os brasileiros se uniram para assistir as ‘Guerreiras do Brasil’ – apelido da Seleção Brasileira – no Mundial, assim somando 35 milhões de pessoas somente na partida contra as francesas, que terminou com a eliminação da Seleção Brasileira.

Nesta mesma Copa do Mundo, a Federação Internacional de Futebol (Fifa) revelou que iria realizar o investimento de US$ 1 bilhão na categoria e, mesmo com a pandemia do coronavírus, afirmou que manterá o valor. A ideia de Gianni Infantino, presidente da Fifa, não é somente realizar o investimento, mas também dobrar o valor da premiação e aumentar a quantidade de seleções de 24 para 32, tudo isso já no próximo Mundial, em 2023. Mas as questões que ficaram são: dessa vez, a onda do futebol feminino veio mesmo para ficar? Somente o investimento é válido?

“Precisa entender o que foi feito lá atrás para compreender o que veio depois, o resultado. Se nós não olharmos para o que está acontecendo dentro do país, como você vai dar continuidade a isso? Antes, você tinha um momento, mas não tinha um impacto. O que fez a diferença, na minha visão, foi a obrigatoriedade da Fifa para os clubes terem times femininos. Faltavam os campeonatos, eles falavam um pouco e depois morria”, disse Tabata.

Se pensarmos um pouco mais no passado do futebol feminino, não iremos encontrar campeonatos regulares e investimentos, diferente do que temos atualmente na grande maioria. “De uma certa forma, o futebol feminino nunca foi exposto como um produto, por isso ele não é tão consumido. Se você não dá opção para o seu cliente consumir, como ele vai dar valor para aquilo? Não adianta você ter um produto para ser vendido e ele estar lá atrás da prateleira, ser quase invisível”.

Entretanto, nos dias de hoje, as coisas estão mudando no Brasil e os times têm a oportunidade de disputar o Campeonato Brasileiro e os campeonatos estaduais. Isso acaba gerando uma parte dessa valorização e visibilidade que eles precisam. Assim, vemos o crescente acompanhamento das torcidas.

Com campeonatos fixos e a possibilidade de investimento, o futebol feminino vem agregando conquistas fora dos campos, mas o patrocínio para se auto-sustentar ainda é um investimento que falta.

“O patrocínio vem a partir do momento que entendemos que a exposição é válida. O futebol nos trouxe grandes ídolos. Se você conseguir mostrar que a mesma coisa acontece na categoria feminina, você associa isso com influências positivas”, comentou Tabata.

E por que será que não consegue patrocínio, sendo que há público acompanhando? Para Tabata, o principal motivo é a falta de entender que mulher também pode jogar futebol. No entanto, isso não vem do nada, precisa ser uma mudança sem volta, não somente das Confederações e Federações, mas da própria mídia e do consumidor. A população precisa entender que as meninas podem montar uma carreira no futebol feminino e ter sustento com o mesmo.

“Para você ter jogadores excelentes, precisa do básico. Uma rotina, um desenvolvimento de performance, um local onde ela consiga se desenvolver e competir. Precisa ter uma base que não se quebre, algo a longo prazo”, afirmou Tabata.

Todavia, essa base não é somente a dos grandes clubes. Ela precisa também ser aplicada nas escolas, com a ideia de que não haja separação de esportes para mulheres e para homens. “As marcas, a imprensa e o consumidor precisam querer saber, questionar. Assim vamos crescer. Os pais e as escolas precisam entender que o futebol é para mulher, precisa ter um estímulo básico”, opina a coach.

A base é um dos locais que mais precisa de estímulo e investimento no futebol feminino. Muitos dos clubes brasileiros não têm esse time inicial pelo fato da falta de capital. O investimento da Fifa é, em partes, para ajudar nesse primeiro passo do desenvolvimento. Porém, para isso tudo funcionar, as federações precisam ter conhecimento do local em que o dinheiro será investido, se irá mesmo para as formações necessárias.

US$ 1 bilhão vai resolver tudo?

Se formos avaliar, o futebol feminino sempre esteve acostumado a trabalhar com o mínimo possível, seja falando sobre financeiro ou apoio. Receber o valor estimado de US$ 1 bilhão, pela Fifa, faria uma grande diferença em alguns cenários, mas somente ele não basta. O futebol precisa ser exposto da melhor maneira possível.

“Precisamos entender a história, o modo como as coisas caminharam, para saber o que deu e o que não deu certo. E assim pensar no futuro. A mulher precisa e pode consumir esse produto. Se você pensar nisso, temos 50% da população já. É uma decisão inteligente”, afirma a coach. 

O futebol feminino precisa, além do investimento financeiro, de mídia com pessoas que realmente se importam. Na final do Campeonato Paulista de 2019, o Corinthians demonstrou um grande apoio ao seu elenco. Dessa maneira, 28 mil torcedores reuniram-se na Arena do time para prestigiar a final.

O esporte é um meio de transformação e o futebol feminino está passando por uma bem importante. O Brasil está começando a se importar com a categoria. As meninas estão começando a ver grandes jogadoras na televisão e levando-as como exemplo. Não temos mais somente “Marta” como a grande conhecida, falar de seleção feminina é falar de outros grandes nomes. É disso que o futebol feminino precisa!

“O interesse tem que vir de cima para baixo. Pode ser que o futebol precise de um ajuste. Mas se a visão de investir nesse ‘novo produto’ estiver muito clara, e tiver uma estrutura e uma interferência, acredito que vá continuar sim crescendo”, finalizou Tabata Viana.

Um comentário sobre “O futebol feminino só precisa de dinheiro para crescer? Entrevista exclusiva com Tabata Viana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s