Coronavírus faz com que equipes goianas recorram ao Sinapego

Preocupados com as questões financeiras dos clubes, Atlético-GO, Goiás e Vila Nova unem forças para não se prejudicarem ainda mais economicamente

A crise voltada ao COVID-19 vem afetando diretamente o futebol goiano devido à paralisação do campeonato estadual. Sendo assim, os clubes goianos, visando futuros problemas financeiros, apresentaram uma proposta de redução salarial aos atletas em até 50% enquanto o torneio estiver suspenso.

A proposta única foi apresentada por Atlético-GO, Goiás e Vila Nova na manhã da última sexta-feira (27) ao Sindicado dos Atletas Profissionais do Estado de Goiás (Sinapego).

A ideia inicial da elite goiana é a redução dos salários pelos próximos dois meses. Caso a paralisação seja prorrogada, a suspensão de contratos. Além disso, a proposta em relação a despesas extras como luvas, premiações e auxílio moradia também foi apresentada. O objetivo é suspender momentaneamente.

O argumento dos clubes é baseado nos últimos dez dias, que aconteceram o rompimento de contratos de patrocínios, cancelamento de planos de sócios torcedores, a inexistência da renda de jogos, entre outras. Confira o documento na íntegra:

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O vice-presidente jurídico do Goiás, Dyogo Crosara, afirma que é fundamental tomar uma medida para que a situação não fique ainda mais complicada, pois é previsto uma queda de 70% na receita do clube. O dirigente esmeraldino também afirmou que, por enquanto, nenhum patrocinador do clube pediu rescisão contratual e sim a revisão de algumas cláusulas.

Paulo Henrique Pinheiro, diretor jurídico do Atlético-GO, destaca a importância dos clubes de Goiânia apresentarem uma proposta conjunta ao sindicato, tendo em vista a dificuldade de haver um consenso em âmbito nacional.

O clube se antecipou aos demais do futebol brasileiro e concedeu férias coletivas na semana passada. No entanto, para estar alinhado com as outras equipes, o Dragão dará férias de 1º até 20 de abril. O período de paralisação dos jogadores, que começou no dia 19 de março, será pago normalmente.

Integrante da Série C do Campeonato Brasileiro, o Vila Nova vive uma situação ainda mais delicada que a do Atlético-GO e do Goiás, sobretudo no que diz respeito às cotas de televisão, que não existem na terceira divisão nacional. Maurilho Teixeira, diretor jurídico do clube, espera que o sindicato dos atletas compreenda a situação e aceite a medida ou que faça uma contraproposta.

Presidente do Sinapego, o ex-jogador Marçal Filho admite que a situação é nova e diz que não tomará nenhuma posição precipitada. No entanto, ele descarta aceitar redução salarial dos jogadores pela metade.

Um comentário sobre “Coronavírus faz com que equipes goianas recorram ao Sinapego

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s