Zero tolerância a agressão!

Volante Bruno Henrique relata que sua esposa, Bhel Dietrich, foi agredida por torcedores do Palmeiras

No duelo entre Palmeiras e Athlético Paranaense, que aconteceu neste domingo (20), na Arena da Baixada, Bhel Dietrich, esposa do volante Bruno Henrique, foi vítima de agressões físicas e verbais na saída da Arena da Baixada, após o empate em 1 a 1 com o time paranaense.

Um grupo de torcedores palmeirenses reconheceu a mulher do capitão e começou a ofendê-la. Bhel Dietrich estava acompanhada por familiares de Bruno Henrique, inclusive uma criança e um senhor. Ela chegou a ser alvo de empurrões em meio a pressão.

Não é a primeira vez que torcedores acabam envolvendo a esposa do jogador em confusão. No dia 2 de setembro, depois da derrota por 3 a 0 para o Flamengo, ela apareceu ao lado do jogador quando o mesmo foi abordado por torcedores que lhe pediam resultados em campo.

Na mesma semana, após a apresentação do Mano Menezes ao cargo de técnico do clube, um outro grupo de membros da Mancha Alviverde protestou em frente a academia de futebol. Bhel Dietrich teria levado Bruno Henrique para treinar e quando estava saindo de dentro do seu carro, ouviu xingamentos, além do veículo ter sido alvo de tapas.
Através de seu site Oficial, o time palestrino soltou uma nota em que repudia o ocorrido e diz prestar todo o suporte necessário ao volante e à sua família.

A Sociedade Esportiva Palmeiras repudia veementemente o deplorável e constrangedor episódio ocorrido na saída do estádio neste domingo (20), após a partida contra o Athletico-PR, em Curitiba, envolvendo a esposa do jogador Bruno Henrique e sua família. É inadmissível que aconteçam situações lamentáveis envolvendo ataques de supostos torcedores e atletas,comissão técnica, dirigentes e seus familiares. O clube está dando todo o suporte necessário ao jogador e sua família.”

O goleiro Fernando Prass também lamentou a agressão à esposa de Bruno Henrique e refletiu sobre a violência.

“É lamentável. A gente entende a paixão do torcedor, a cobrança. Isso tudo é normal. Agora, agressão e intimidação dessa maneira, fogem totalmente ao aceitável. Na não podemos também ser egoístas a ponto de levantar uma bandeira contra a violência no futebol” – disse.

Em 2013, quando o Palmeiras foi derrotado na Libertadores pelo Tigre, Fernando Prass foi alvo de violência com uma xícara arremessada por torcedores, que na verdade queriam acertar ao Valdívia. Na ocasião, o goleiro acabou sendo ferido e precisou tomar três pontos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s