Internacionalização: um desafio para os clubes brasileiros

Diretor de marketing do Santos, Marcelo Frazão, ressalta a importância de possuir o reconhecimento da marca alvirrubra no mercado exterior

Os clubes de futebol sentem cada vez mais a necessidade de levar a sua marca a novos horizontes. As equipes paulistas do Santos Futebol Clube e do São Paulo Futebol Clube são exemplos de clubes brasileiros que têm as suas marcas e equipes reconhecidas no exterior. O Santos por ser um clube que revelou grandes jogadores, como Neymar e Pelé, e o São Paulo pelo seu tricampeonato Mundial de Clubes, um dos times mais vitoriosos do século.

Para que um clube seja reconhecido internacionalmente há várias razões, dentre elas a sua história, os seus ídolos, as suas conquistas, o marketing e, principalmente, uma gestão esportiva profissional interessada na expansão da marca em outros países. Na visão da especialista em Marketing Esportivo e Mídias Sociais Débora Saldanha, os clubes, principalmente os brasileiros, são pautados muito por política ou até mesmo por indicações. “Mas, em um clube de futebol, que é uma grande marca e representa milhares de torcedores, precisa haver um lado profissional”, afirma.

Para se ter uma ideia da importância do marketing, em especial o esportivo e sua gestão, no Brasil e no mundo os dois maiores clubes espanhóis, Fútbol Club Barcelona e Real Madrid Club de Fútbol, são os mais bem sucedidos nesse quesito de acordo com o jornal Lance!. Isso se dá pelo fato de serem clubes que possuem receitas elevadas em relação aos demais, podendo, além de ter jogadores renomados que ajudam a atrair torcedores de todo o mundo, contratar profissionais qualificados na área.

Um levantamento feito pela Revista Forbes mostra que o Real Madrid teve, em 2018, uma receita de US$ 735 milhões. Já o Barcelona, nesse mesmo período, teve faturamento de US$ 706 milhões, ambas provenientes de várias fontes, dentre elas o bom uso do marketing, que potencializa o reconhecimento dos clubes como “marcas globais”.

De acordo com a joint-venture IBOPE Repucom, o interesse nesses times europeus continua crescendo mundialmente graças à influência do marketing nos últimos anos. Isso se deve, principalmente, à presença de grandes jogadores e ao crescimento da cobertura do futebol europeu pela mídia. Uma pesquisa realizada em 2017 pelo site da IBOPE Repucom revelou que o Barcelona é o time com maior número de torcedores brasileiros e, em segundo lugar, o Real Madrid.

Os clubes brasileiros, no entanto, encontram-se em uma realidade totalmente oposta. “Todos os clubes, sem exceção, são ‘marcas locais’. Pequenas ações isoladas não internacionalizam a marca. Se não nos comunicamos bem com o nosso público interno, como faremos algo de qualidade em outros mercados?”, analisa o economista e especialista em Marketing e Futebol, Fábio Mundstock.

Um exemplo disso é que poucos times brasileiros possuem nos seus sites oficiais versões em outros idiomas, como o inglês e o espanhol, algo que os times europeus já investiram há uma década. “Os clubes lá fora tiveram um grande investimento no marketing, e com isso obtiveram um grande retorno, porque houve uma pessoa ali que geriu de forma profissional. É preciso que os clubes daqui entendam que é necessário usar as novas tecnologias e buscar um novo mercado lá fora, não apenas o brasileiro. Precisa externar a sua marca, e não ficar apenas com os seus torcedores locais”, opina Débora Saldanha.

Entretanto, ainda há um caminho a ser percorrido pelos clubes brasileiros no que diz respeito à evolução da gestão esportiva e, consequentemente, da internacionalização da marca, que implica na busca por novas vantagens, não apenas a competitiva. “Quem busca a internacionalização, busca novos adeptos, não necessariamente torcedores, mas pessoas que por algum motivo se identificam com as cores do clube”, explica a especialista em Marketing Esportivo. Débora Saldanha ainda menciona que levar a marca para o exterior se trata de uma renda extra para o clube, além da busca por novas parcerias e também a formação de escolinhas de futebol para expandir a marca.

O Santos Futebol Clube, popularmente conhecido como Peixe, é um dos times brasileiros que está alerta a essa nova tendência com a sua marca reconhecida no exterior.

Atualmente, o Santos faz uso das suas redes sociais para atingir o público nacional e internacional. Em cada rede, o trabalho é feito de forma segmentada, buscando atingir diferentes perfis de geração e localidades. “Nós buscamos relevância com o apaixonado por futebol, independente de ser torcedor do Santos ou não, utilizando pontos de interesse e engajamento como a nossa história, perfis de atletas e ex-atletas, campanhas, causas sociais e temas de interesse comum com um tom mais bem-humorado”, pontua o diretor de marketing.

Diretor de Marketing do Santos, Marcelo Frazão. Foto: Jornal Lance!

O conceituado site espanhol Deportes & Finanzas, especializado em estatísticas voltadas ao mundo esportivo, fez um levantamento em fevereiro de 2019 e constatou que os quatro canais de comunicação do Peixe figuraram entre as 10 instituições esportivas mais engajadas nas Américas do Sul, Central e do Norte, ficando à frente inclusive de diversas equipes de basquete oriundas do milionário mercado norte-americano.

Por meio das postagens comerciais nas redes, o Santos adquire uma maior entrada para sócios-torcedores e para a venda de produtos licenciados. “Ainda estamos em fase de planejamento de como, mesmo com recursos escassos para tal, termos uma atuação mais intensa no mercado externo via comunicação, redes sociais, ações de Relações Públicas, novas escolinhas e abertura de associação no exterior”, esclarece Marcelo Frazão.

Um dos pontos fortes do Santos é a formação de jogadores brilhantes que se tornaram conhecidos internacionalmente, como foi o caso foi o caso dos atacantes Pepe, Pelé, Coutinho, Robinho e Neymar. Figuras como essas fazem o nome do Santos Futebol Clube circular pelo mundo.

O fato de poder possuir torcedores estrangeiros revela que os clubes brasileiros, em específico o Santos, têm capacidade para manter e fazer crescer a base de torcedores em outros países do mundo. “Hoje, nós encaramos a questão da percepção internacional como um pilar de identidade e mais uma fortaleza na disputa pelo mercado nacional”, finaliza Marcelo Frazão.

Um comentário sobre “Internacionalização: um desafio para os clubes brasileiros

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s