O futuro no comando da Seleção Brasileira Feminina

Ao encerrar a sua participação na Copa do Mundo Feminina, após a eliminação diante da França, questionou-se muito sobre o comando e o futuro do futebol da Seleção Brasileira Feminina.

Ainda durante a Copa, o coordenador de seleções, Marco Aurélio Cunha, comentou sobre o assunto. Para ele, o técnico Vadão fez uma ótima competição mesmo com as críticas. Admitiu também que quem decide se há ou não permanência no cargo é a própria Confederação Brasileira de Futebol.

E a CBF já tem novos nomes, como relatou o blog da jornalista Gabriela Moreira. Entre eles, o indicado pode ser da sueca Pia Sundhage. A técnica é bicampeã olímpica com a Seleção Feminina Norte-americana e, atualmente, treina a categoria sub-16 feminina da Suécia.

Foto: Getty Images

Pia esteve no Brasil em maio deste ano, a convite da CBF, para o evento Somos Futebol, promovido pela própria Confederação. Ao ser perguntada sobre a possibilidade de treinar a Seleção Brasileira, a sueca disse que seria um orgulho.

Para refrescar a memória, Pia Sundhage estava sob o comando da Suécia quando eliminou as meninas brasileiras na Rio 2016. O primeiro confronto foi ainda na primeira fase, em que a Suécia perdeu de 5 a 1. Depois disso, se reecontraram na semifinal.

O empate em zero a zero levou o jogo para as penalidades máximas, e as suecas levaram a melhor, disputando a final com a Alemanha. Na entrevista, Pia disse que após a derrota para as brasileiras, o time precisou usar a parte mental para evoluir na competição.

O contrato de Pia com a Seleção Sueca vai até o fim deste ano. Caso não aceite a proposta da CBF, a Confederação pensa em outros nomes. A certeza é que a escolha para o comando será de uma mulher.