Copa do Mundo Feminina: Austrália confirma favoritismo e vence o Brasil de virada

Por: Thais Nogueira

Passada a empolgação pela estreia vitoriosa, um novo desafio. A Seleção Brasileira Feminina voltou a campo nesta quinta-feira (13) para o segundo jogo da fase de grupos. E o palco escolhido para o confronto com a Austrália foi o Stade de la Mosson, na cidade de Montpellier. A Seleção Australiana acabou confirmando o favoritismo e venceu o Brasil por 3 a 2.

Muito mais do que três pontos, em jogo também estava a rivalidade. Tal como Brasil e Argentina no masculino, nos últimos anos, Brasil e Austrália têm ganhado cada vez mais o status de clássico no futebol feminino.

Em cinco anos, foram nada menos que nove duelos entre as duas equipes. Com um saldo positivo para as australianas, que foram felizes em seis das nove disputas. Duas vitórias brasileiras, além de um empate, fecham a conta.

Além dessa rivalidade particular, havia um ingrediente a mais para deixar tudo ainda mais acirrado. Consideradas por muitos como as favoritas do grupo C, As Matildas, como são conhecidas as jogadoras australianas, estrearam com derrota. Perderam por 2 a 1 da Itália e viram, na partida contra o Brasil, a chance de se recuperar.

Se elas têm Kerr, nós temos Marta. A boa notícia do dia foi o retorno da camisa 10 aos gramados. Recém-recuperada de uma lesão muscular, ela foi responsável pelo primeiro gol do Brasil. E de quebra ainda bateu o recorde de maior artilheira em Copas do Mundo, tanto feminina quanto masculina.

Foto: Reprodução

No início do primeiro tempo, Tamires foi quem teve a primeira chance de gol. Mas a partir daí, foi a Austrália quem passou a ter o controle do jogo. As Matildas pressionaram a saída de bola brasileira e atacaram em duas frentes: as laterais e a bola aérea. Nesse momento, sobrou para a lateral Letícia Santos interceptar as investidas australianas.

Defensivamente, a estratégia foi congestionar o meio de campo para impedir que o Brasil trabalhasse a bola. Mas, aos poucos, a Seleção Brasileira foi encontrando espaços. Em uma dessas chegadas à área adversária, Letícia Santos foi puxada pela camisa e o VAR entrou em ação. Com o pênalti confirmado, Marta cobrou e abriu o placar para o Brasil, aos 25 minutos.

As brasileiras apostaram nos cruzamentos. Até que, aos 38 minutos, Debinha fez um lançamento preciso para Cristiane. A artilheira cabeceou para o gol e fez 2 a 0.

Porém, tudo mudaria nos acréscimos. Mesmo após terem tomado dois gols, as australianas conseguiram se reorganizar. Primeiro, a zagueira Mônica estava atenta e evitou o gol. Mas em seguida, através da bola aérea, a Austrália diminuiu a vantagem.

Após um cruzamento, Logarzo escora a bola, que sobra para Foord balançar as redes. Fim de primeiro tempo ainda com vantagem brasileira.

Na segunda etapa, o Brasil já voltou a campo sem Marta e sem Formiga, que deram lugar à Ludmila e Luana.

Inicialmente equilibradas, as duas seleções tiveram boas chances. Mas as jogadas aéreas voltaram a atormentar o Brasil e foram determinantes para a virada australiana. O que era para ser um simples cruzamento, terminou em gol. Logarzo lançou para Kerr, mas a bola acabou indo direto para o gol. Empate em 2 a 2 aos 12 minutos do segundo tempo.

Com 23′ de partida, novamente a bola aérea foi inimiga do Brasil. Mônica tentou cortar, mas desviou a bola para o gol. Esse acabou sendo invalidado por impedimento e, após checagem no VAR, um personagem importante nesse jogo, o gol foi considerado legal.

O Brasil tentou reagir, mas não conseguiu evitar a derrota por 3 a 2.

Mesmo com o resultado negativo, a Seleção Brasileira permanece na primeira posição. Já a Austrália se encontra na terceira colocação.

Na última rodada, o Brasil enfrentará a Itália, na terça-feira (18), às 16h.