Neymar não será o capitão durante a Copa América

A agressão a um torcedor na final da Copa da França, em que o Paris Saint-Germain, clube que o atacante atua na Europa, ficou com o vice-campeonato, custou à braçadeira de capitão da Seleção Brasileira a Neymar.

O camisa 10, que sentiu desconforto no joelho durante o treino aberto de hoje, na Granja Comary, e deixou o campo com a atividade ainda em andamento, recebeu o comunicado do técnico Tite quando se apresentou no último sábado (25). O seu substituto será o lateral Daniel Alves, que carregará a braçadeira nos amistosos da seleção contra Catar e Honduras, além da Copa América inteira.

No dia em que anunciou os 23 convocados, Tite não se pronunciou sobre o caso de Neymar. Disse apenas que o jogador cometeu um erro e que, antes de se pronunciar sobre qualquer assunto, ele conversaria pessoalmente com o atacante.

Por conta da liberação do PSG, Neymar se apresentou três dias antes do previsto na Granja Comary. A agressão rendeu ao jogador uma suspensão na reta final da liga do país.

Daniel Alves e Neymar são grandes amigos, parceiros desde os tempos de Barcelona e agora também no PSG. Sua chegada esta prevista para esta terça-feira (28), junto aos zagueiros Marquinhos e Militão, o volante Arthur e o meia Phillippe Coutinho. O lateral-direito teria sido o capitão durante a Copa do Mundo, mas uma lesão o tirou às vésperas do torneio.

Após a Copa do Mundo no Brasil, em 2014, Neymar exerceu a função pela primeira vez. Foi o capitão durante a passagem de Dunga pelo comando da seleção, mesmo sendo expulso e suspenso da Copa América de 2015. Durante as Olimpíadas de 2016, novamente levou a braçadeira, mas ao final do jogo que consagrou a equipe à medalha de ouro, o camisa 10 disse que não gostaria de exercer a função.

Quando Tite assumiu o comando da seleção, ele começou o esquema de rodízio de capitães. Neymar só assumira o cargo no jogo contra o Paraguai, na Arena Corinthians.

O técnico deu fim à rotação após a Copa do Mundo da Rússia, em 2018, e determinou que o atacante seria o capitão definitivo da Seleção Brasileira. Segundo ele, a intenção era de demonstrar confiança ao atacante, que sofreu duras críticas pelo seu comportamento durante o Mundial.

Durante os seis amistosos do segundo semestre de 2018, Neymar foi o capitão da amarelinha. Agora, entregará a faixa ao amigo Daniel Alves, capitão mais frequente durante o rodizio de Tite: quatro vezes. Contabiliza 109 partidas com a camisa da seleção e tem respaldo com seu histórico de 39 conquistas no futebol.

Foto: REUTERS/Regis Duvignau