Top 10 dos goleiros: parte 1

O Rainhas inicia hoje o top 10 dos goleiros:

Número 10: Victor Valdés.

Nasceu no dia 24 de janeiro de 1982 na Espanha. Destro, muito ágil, com uma condição física impressionante e uma grande capacidade de liderança em campo o goleiro aposentado iniciou sua vida no futebol em 1992 aos 10 anos de idade no Barcelona. Também jogou no Tenerife nas categorias de base. Foi convocado para a seleção do seu país e foi o número um da equipe.

Valdés iniciou sua carreira no profissional em 2000 no Barcelona, clube que o revelou, e permaneceu no time catalão até 26 de março de 2014 quando fez sua última partida pela equipe: data que teve uma contusão no joelho direito e precisou passar por uma cirurgia que o afastou dos gramados por dez meses.

Após esse período, Victor foi contratado pelo Manchester United, porém com poucas oportunidades o arqueiro foi emprestado ao Standard de Liège onde fez sete jogos. Devolvido ao Manchester, Valdés rescindiu o contrato e foi contratado pelo Middlesbrough para jogar a Premier League de 2016–17. A equipe terminou a temporada em 19º lugar e acabou rebaixada para a Football League Championship. No fim da temporada, o goleiro anunciou sua aposentadoria.

Com um talento indiscutível, ele carrega com sigo uma grande bagagem. Ganhou seis vezes a La Liga, três Liga dos Campeões da UEFA, três Supercopas da Espanha, uma Copa do Rei,duas Copas Catalunha e mesmo sendo reserva da seleção espanhola, em 2010, foi campeão da Copa do Mundo na África do Sul com a La Roja.

Número 9: Rogério Ceni.

Nasceu no dia 22 de janeiro de 1973 na cidade de Pato Branco, no interior do Paraná. Foi revelado como goleiro pelo Sinop Futebol Clube. Destro, a característica mais marcante do atleta foi sua fidelidade ao São Paulo, equipe profissional que Ceni atuou por vinte cinco anos nos quais dezoito sendo titular.

Colecionador de inúmeros recordes mundiais, marcou 123 gols tornado-se o maior goleiro artilheiro mundial com mais de mil jogos com a camisa do time paulista. Seu primeiro título no profissional veio aos 17 anos, pelo Sinop, mesmo ano que foi contratado pelo São Paulo onde ficou até sua aposentadoria em 2015.

Com a Seleção Brasileira, Ceni não teve o mesmo brilho como obteve no Tricolor Paulista., apesar de fazer parte da equipe que foi pentacampeão do mundo.

Dentre os inúmeros títulos conquistados estão: Campeonato Mundial de Clubes da FIFA em 2005, Copa Libertadores da América em 1993 e 2005, Copa Sul-Americana em 2012, Campeonato Brasileiro três anos consecutivos (2006 a 2008) e, pela seleção Brasileira, a Copa do Mundo de 2002 e a Copa das Confederações em 1997.