Como dizia Benjamin Wright: o futebol é uma caixinha de surpresas

Eu até poderia começar esse texto falando que vou falar sobre as rodadas do final de semana de algum estadual pelo Brasil, mas dessa vez, vamos voar mais longe. Pousaremos na Alemanha e mais uma rodada da Bundesliga.

É comum falarmos sobre a La Liga, Premier League e as atenções voltadas para a Ligue 1, com o PSG liderando mais uma vez o campeonato, e agora, com a ida do Cristiano Ronaldo para Turim o campeonato italiano ficou mais valorizado. O que normalmente não presta-se tanta atenção é no campeonato alemão, logo eles, que foram exemplo por longos quatro anos antes da França ser a nova campeã do mundo.

Quando falam da Bundesliga, eu sempre lembro de todos os títulos que o Bayern de Munique conquistou até aqui. Ele não só é um gigante europeu como o maior campeão da Bundesliga – são 28 títulos – contando os anos pré-Bundesliga, e para completar, as últimas seis temporadas foram dominadas pelos os bávaros. Segredo? Alguns diriam: simplesmente futebol.

Pep Guardiola

Quando saiu do Barcelona, na temporada de 2013, o treinador espanhol deixou o seu legado. Reinventou o jeito dos catalãs de jogar, deixou um time que já tinha grandes estrelas dominar mais ainda o jogo e ficou conhecido como o “técnico da posse de bola”. Como esquecer do famoso Barcelona com 70% de posse bola? Isso encantou os olhos dos alemães que o chamaram para comandar a equipe. O Bayern de Munique no comando de Pep Guardiola ganhou duas vezes a Copa da Alemanha, foi três vezes campeão da Bundesliga, além de ganhar o Mundial de Clubes e a Supercopa da UEFA, em 2013.

Por que eu falei do técnico espanhol? Porque, para muitos, ele também reinventou o jeito da Alemanha de jogar. Como? Assim como acontece com a Roja, a Seleção da Alemanha também tem a maioria – ou ao menos tinha – dos jogadores jogado na Bundesliga. Com isso, o jeito que era visto na equipe de Munique, levava para a seleção campeã de 2014, com Joachim Löw, o mesmo estilo de jogo.

Mas, o reinado de Guardiola sobre o comando alemão durou até a temporada de 2015 quando o clube anunciou que o técnico não iria mais renovar seu contrato.

Bayern de Munique x Borussia Dortmund

A reunificação alemã mostra que há quase um domínio entre as duas equipes em relação ao campeonato nacional. Desde 1990, já foram 14 titulos para o time do Bayern e cinco para o time de Dortmund.

Na Bundesliga, ao contrário de muitos outros campeonatos que estamos acostumados a ver, são 18 equipe com duas rebaixadas no fim, e um play off para o rebaixamento. E como já diz o ditado: “o futebol é uma caixinha de surpresa”, dessa vez, quem está surpreendendo é o time de Dortmund.

Faltando 14 rodadas para o fim do campeonato, o time do do suíço Lucien Favre, lidera a competição com 48 pontos, seis pontos na frente do Bayern. O que chama atenção é o número de derrotas, que eu devo falar na verdade, no singular: derrota. Os aurinegros perderam somente uma vez, para a equipe do Fortuna Düsseldorf, em dezembro.

Outro lado que deve-se destacar é o alemão Marco Reus. O meia de 29 anos, que já teve várias lesões e ficou de fora de algumas decisões importantes na seleção alemã, está começando o ano muito bem na volta do campeonato. São 12 gols, em 18 jogos, e seis assistências.

Fonte: Lance!

Realmente, o futebol é uma caixinha de surpresas, e ela nos revela as melhores e piores situações. Apesar disso, ainda não podemos declarar a equipe de Dortmund como campeã, afinal, são seis pontos de diferença para o vice-líder, Bayern e ainda teremos o segundo confronto entre as equipes, dia 06 de abril na Arena de Munique. Será uma revanche do time de Munique pela derrota sofrida, de virada, em novembro?