Técnicos ou mágicos? Por que os times brasileiros trocam tanto de treinadores?

Umas das instabilidades visíveis no futebol brasileiro é o “troca-troca” de técnicos. E você já parou para se perguntar por que isso acontece?

Em um curto prazo de dois anos, os 12 maiores clubes brasileiros trocaram de técnicos 33 vezes, abrangendo as duas temporadas. Esses números trazem à tona a cultura imediatista do futebol, que consiste em obter o melhor resultado no prazo mais curto possível, independentemente das circunstâncias, alimentando a impaciência dos torcedores e as seguidas demissões de técnicos ano após ano.

É basicamente assim: o time vai mal ou passa uma fase ruim, a torcida clama e muitas vezes sem pensar duas vezes, já temos outro nome à frente da equipe. Porém, isso não afeta apenas a sequência da temporada dos clubes, mas também a evolução da qualidade do futebol jogado por aqui. Além dos gastos financeiros, quando se põe em mesa que a profissão de ser um treinador de futebol, por mais instável que seja, está entre as mais caras.

Temos a certeza de que o comportamento do torcedor realmente é um ponto altamente influenciável nesse assunto. Quando analisamos por exemplo Rogério Ceni como técnico do São Paulo, ele teve a certeza da diretoria que teria tempo suficiente para trabalhar o time, e ainda assim foi demitido em julho, tempos depois. Motivo? Resultados, e lembrando que ele era ídolo da equipe e da torcida do time.

A imprensa esportiva cai em cima, torcedores reclamam que os três pontos não estão vindo e uma diretoria que pode ser altamente influenciada, age pelo momento. Se pararmos para pensar, há jogos onde o time não foi tão bem assim e ganhou. É esse o resultado imediato, porém não correto, que se espera dos técnicos. É raro de se ver um trabalho processual dar certo se os triunfos não chegam. Mas claro, cada caso é diferente, cabe a diretoria do clube saber analisar e aos torcedores também prestarem mais atenção no que está sendo feito e o que eles estão cobrando. Perder três pontos aqui pode ser necessário para ganhar seis pontos lá na frente.

Alguns técnicos afirmam que importam-se apenas com os resultados imediatos e que tem sido a areia movediça do futebol brasileiro. Muitas vezes aqui, procuram-se mágicos que levantem um time em quatro jogos, e por mais que nós, torcedores, queiramos ver a mudança acontecer, é preciso entender que o futebol vai além dos 90 minutos.