Finalmente o final da Libertadores que não foi da América

Finalmente realizou-se o segundo jogo da final da Libertadores da América. América? O jogo entre River Plate e Boca Juniors aconteceu na capital espanhola de Madrid, no estádio Santiago Bernabeu, do Real Madrid. Mas pelo menos teve fim! River Plate mais uma vez campeão!

O primeiro tempo do jogo não foi muito bom de ambos os lados: muitos erros das duas equipes, faltas bobas, e sem muita efetividade de jogo. Ainda assim, o Boca Juniors se sobressaiu na maior parte desta etapa, e numa falha da defesa do River, conseguiu armar um belo um contra-ataque para os pés de Benedetto, que não perdoa, sabemos… Gol do Boca!

Segundo tempo foi um jogo à parte e que jogo! As duas equipes voltaram muito mais bem articuladas e buscando jogo de uma forma diferente. Mas, o River parecia estar mais preparado fisicamente e mentalmente, e depois da saída de Benedetto, que deu lugar ao Ábila, os Millionarios comandaram a partida. E, mais ainda, com a entrada de Quinteros no River Plate fez a diferença!

Com muito mais posse de bola, o primeiro gol do River aconteceu de uma bela jogada pela direita, ótima movimentação e triangulação no ataque, para a finalização de Pratto, que estava livre e com gol praticamente aberto. Empate!

Veio a prorrogação. Primeiro tempo com algumas tentativas das equipes, mas nada de gols. Até que Barrios, talvez o nome principal desta final e que já havia tomado um cartão amarelo no tempo normal, fez uma falta boba e tomou o segundo cartão amarelo, sendo expulso. Se o River já vinha com mais força, depois disso, era só o tempo.

Segundo tempo da prorrogação, no caso… Foi quando Quinteros, aos três minutos, fez um belo gol para o River, contemplando a virada aos Millionarios. A esta altura, o Boca parecia já não ter mais pernas, nem muita ação, mas não desistiu. Passou a ir mais para o ataque, inclusive com o goleiro Andrada saindo do gol e jogando como líbero e até indo à área nestes minutos finais.

Para desespero dos torcedores do Boca, o último lance dos Xeneizes foi uma bola desviada na trave. Na Trave! Desespero de todos no estádio, com certeza! Mas, logo após essa chance e com o Andrada fora do gol, o River aproveitou para matar o jogo: Pity Martinez marcou o terceiro gol.

River Campeão da Libertadores! Na cancha, indiscutível. Fora dela, melhor não comentar.

Mas talvez este episódio todo, a triste novela que vivenciamos nos últimos dias, tenha servido de exemplo para a “América” acordar e perceber que o seu futebol, sua história, sua magia está aqui! É feita por nós e para nós! E só quem pode “salvar” tudo isso são os clubes a qual pertencem, e claro, suas torcidas!

Sim, foi uma final emocionante. E embora a Conmebol não merecesse essa final, os 62 mil torcedores que estavam no estádio puderam, mesmo em terras estrangeiras, sentir um pouco do que é uma Libertadores. Que neste caso, não foi da América…