As despedidas que o Brasileirão traz

Por: Paloma Stuchi

Despedir-se de alguém nunca é fácil e para os amantes de futebol isso acaba ficando um pouco mais complicado. Com o fim do Campeonato Brasileiro, muitos torcedores se pegaram com lágrimas nos olhos ao ver seus ídolos dando adeus ao clube.

Alguns pela idade e outros por novas oportunidades no futebol europeu. Lucas Paquetá é um dos que recebeu uma chance de construir um novo caminho para a sua carreira quando aceitou a proposta do Milan da Itália. O xodó da torcida rubro-negra, que chegou ao clube com apenas nove anos de idade, deu um até breve ao clube no sábado diante o Atlético Paranaense, no estádio do Maracanã. Mesmo com uma despedida discreta sem marcar nenhum gol, o jogador foi muito festejado pelo torcedor presente no estádio.

Ainda falando da Cidade Maravilhosa, outra despedida emocionante foi a do goleiro Jefferson. Jogador do Botafogo desde 2003 o paredão anunciou sua aposentadoria dos gramados após ano complicado de lesão. O goleiro foi formado no Cruzeiro e teve duas passagens pelo Botafogo, jogando com a camisa alvinegra 440 vezes, levantou duas vezes a taça de campeão carioca, além de ter sido eleito melhor goleiro do Campeonato Brasileiro de 2014.

Já em São Paulo, a torcida corintiana sofreu com duas saídas: a do atacante Emerson Sheik e do meia-atacante Danilo. Duas peças fundamentais nas ultimas boas campanha do timão, os atletas pretendem tomar carreiras semelhantes com o afastamento do gramado. Sheik pretende assumir carreira administrativa no Corinthians e Danilo pretende continuar jogando em 2019, mas já deixou claro que pretende voltar ao clube em 2020 quando pendurar as chuteiras para assumir junto com a diretoria uma ocupação.

Outro paulista que sofreu com a aposentadoria foi o Santos. O volante Renato, que é adorado pela torcida por seu estilo de jogo sério e tão “perfeito” que não chega a sujar o uniforme do jogo. Agora vai ser o novo executivo de futebol. O Santos vem sofrendo com essa posição desde que o presidente Perez assumiu o clube, já que todos os escolhidos pelo cartola não permaneceram no cargo. A escolha feita pela diretoria levou muito em conta a admiração que todo o elenco sente pelo craque e também pelo jogador já conhecer as dificuldades de contratação do time.

André Mourão