"La Décima" do alviverde imponente

Ontem, domingo (25), o Palmeiras bateu o Vasco e abateu mais um título. Mais um Campeonato Brasileiro. A “La Décima” do alviverde imponente. Com uma rodada de antecedência, se consagrou campeão, deixando muitos no cheirinho e na vontade, de novo.

Quando Luiz Felipe Scolari voltou ao Palmeiras, dividiu opiniões. Mas a torcida sabia que nele se podia confiar. Em poucos jogos a equipe era outra, mesmo sem ninguém de diferente. Quando se trata de Palmeiras e Felipão, a ligação é forte e os resultados são visíveis e esperados. É coisa de família. E nessa família, ele é o pai. No fim, sempre se entendem.

Teve o filho rebelde e “maluquinho” que obedeceu o pai e amadureceu. Resultado: gol do título. O “anjo loiro”, nossa dose de maracugina. Obrigada, Deyverson! Dudu, que recusou o caminhão de dinheiro da China para ficar e subir no caminhão do bombeiro na Paulista como ídolo e melhor do Brasileirão. Poderia ser citado nome por nome de cada jogador que fez parte da campanha impecável deste segundo turno do Palestra, mas prefiro generalizar. Entre erros e acertos, campeões foram todos. Elenco unido e forte. Trabalho e investimento. Não vieram todas, nem a mais pedida e esperada, a da América. Mas veio a “La Décima”. Ano que vem tem mais, e com a benção de São Marcos, virão mais.

As más línguas insistem em querer menosprezar o título com argumentos de que “com o elenco que tinha, dava para ter ganhado tudo”, mas quem entende sabe que o mais difícil e concorrido é o de pontos corridos, o Brasileirão. O Palmeiras conseguiu disputar em alto nível todas as competições deste ano, mesmo tropeçando no final em algumas, e no Brasileiro se manteve desde a 17º rodada sem perder. Saiu de 6º colocado para 1º. Contestar o que do maior campeão nacional?

Parabéns pela campanha, Sociedade Esportiva Palmeiras. O brilho do seu deca ninguém tirará. Não sejamos ingratos, tem equipe que não ganha nada há muito tempo e ficou mais um ano sem conquistas. No gramado em que a luta o aguarda, surgiu o alviverde imponente. Que agora, tem mais. E quem tem mais? Tem 10.

Torcedor sonha alto e já está sonhando com o ano que vem. Que papai continue e que seu filho menor, que vira gigante quando precisa, fique. Sem negócio da China. Fica, Dudu.

Créditos: Ricardo Moraes/Reuters