Conheça a trajetória de Allan, novidade do técnico Tite

Por: Luisa Lopes

Allan Marques Loureiro, de 27 anos, comemorou nessa última sexta-feira (26) sua primeira convocação para a seleção principal, algo que almeja há muito tempo. O volante é destaque do Napoli, e é mais uma revelação cruzmaltina a fazer sucesso na Europa.

Vindo do Madureira para o Juvenil do Vasco em 2008, o futebol de Allan foi reconhecido pelo técnico Dorival Júnior quando o clube disputava a Série B do Campeonato Brasileiro (2009), recebendo sua primeira oportunidade profissional. Naquele ano, disputou 14 partidas.

No ano seguinte, depois de conquistar o título e o acesso à elite do futebol brasileiro, Allan sofreu com uma contusão que o fez voltar a treinar com os juniores, para pegar ritmo até voltar a jogar. A temporada de 2011 foi o divisor de águas para a carreira do jogador. O lateral-direito do cruzmaltino, Fagner, sofreu uma lesão e o técnico Ricardo Gomes resolveu improvisar Allan.

A mudança deu tão certo, que ele acabou conquistando a vaga de titular mesmo após a recuperação de Fagner. Com isso, foi titular do Vasco em sua última conquista nacional, a Copa do Brasil de 2011. Nesse mesmo ano, foi a primeira e última vez que sentiu o gosto de vestir a amarelinha, quando foi convocado por Ney Franco para a Copa do Mundo FIFA 2011, na Colômbia. A Seleção Brasileira foi a campeã, tendo a jovem promessa disputado 5 dos 7 jogos feitos.

Em 2012, Allan foi vendido para a Udinese por €3 milhões – onde ficou até 2015. Realizou 116 jogos e fez dois gols pela equipe, dando o retorno esperado pelo que lhe era exigido. Jogava na frente da defesa, e tinha bem menos chance de ir ao ataque. A equipe de Udine era armada com três jogadores na frente da defesa, porque a preocupação principal era se manter na primeira divisão do campeonato italiano, sem muito espaço para que o meia avançasse ao ataque.

Já no Napoli, em 2015, mudou seu posicionamento. Ao abandonar a função de protetor da zaga central do Udinese, ele conseguiu se aproximar um pouco mais dos atacantes e dos gols como apoiador pela direita. Desde então, o brasileiro é presença certa no esquema tático da nova equipe. A evolução foi notória: Hoje são 141 jogos e 12 gols.

Essa crescimento fez com que o treinador Tite monitorasse ele já há algum tempo. Seu auxiliar técnico Sylvinho foi quem insistiu no jogador: “Talvez vocês não vejam o número de gols tão avantajado, mas é um atleta dinâmico e de conexões… É versátil, regular, tem rodinha nos pés, jogada no box-to-box…”, disse ele.

Foto: Linkabile