Aliás, quem realmente conduz um time de futebol?

Por: Vittoria Catarina

Essa duvida é pertinente se formos analisar os clubes de futebol que são liderados por diversas pessoas, desde a comissão técnica até a diretoria do clube, e também aqueles que são as peças fundamentais dessa composição, como é o caso dos jogadores e dos torcedores.

O questionamento veio à tona logo após a polêmica envolvendo o goleiro Diego Alves, o técnico Dorival Junior e o Clube de Regatas do Flamengo. Este que vive um momento incrível dentro do Campeonato Brasileiro, logo após ter sofrido uma queda de rendimento.

O rubro-negro ultrapassou o Internacional e o São Paulo, que eram os clubes mais cotados para ganharem o título deste ano. Isso porque os dois encerraram o primeiro turno de forma equilibrada e se distanciando dos seus adversários, mas o Flamengo melhorou os seus resultados, enquanto os outros dois seguiram o caminho contrário.

Ainda assim, o clube não está na liderança do Campeonato Brasileiro, atrás apenas do Palmeiras. Por esse motivo, o Maracanã já esgotou os seus ingressos para o confronto deste sábado (27), que é visto como uma final antecipada. Se o Flamengo vencer, encosta na liderança. Do contrário, o Verdão abre uma boa vantagem sobre ele, que pode ser ultrapassado pelo Internacional.

A POLÊMICA
O jogador Diego Alves foi informado pelo técnico Dorival Junior e pelo preparador de goleiros, Rogério Maia, que César era o novo dono da posição. A transição ocorreu depois que o goleiro reserva precisou se tornar titular, já que Diego estava com uma lesão muscular.

Foto: Reprodução/FOX Sports

Para o confronto do último domingo (21), contra o lanterna Paraná Clube, o goleiro estava na expectativa de ser o titular do jogo. No caminho para o aeroporto, recebeu a orientação de que isso não ocorreria e resolveu não viajar com a delegação, se ausentando da partida.

O ato tomou uma repercussão grande, ainda que o Flamengo acreditasse que deveria ser tratado de forma interna e sem grande visibilidade. De qualquer forma, a atitude do goleiro foi repudiada pela presidência do clube, pelo técnico, pelos jogadores e pela torcida.

Diego Alves se sentiu injustiçado diante da situação e exposto com a proporção que tomou, ainda assim, não se desculpou em nenhum momento com o clube. Os jogadores classificaram a sua atitude como individualista, sem o censo de companheirismo com a equipe.

Foto: Gilvan de Souza/Flamengo

DIRETORIA DO CLUBE
O clube analisou o ato como uma indisciplina, que cabia punição. Ainda assim, a imprensa não foi informada sobre quais medidas seriam tomadas. O empresário do goleiro esteve em contato com a diretoria, que inviabilizou a rescisão do contrato, já que um investimento foi realizado no atleta que está valorizado no mercado.

O Flamengo também passa por um momento eleitoral dentro do clube, os rubro-negros vão às urnas no dia 8 de dezembro. A disputa está entre Ricardo Lomba, da chapa rosa, e Rodolfo Landim, da chapa roxa. Para o próximo triênio, o planejamento de um investimento recorde: 800 milhões de reais.

JOGADOR, TÉCNICO E TORCEDOR
Ainda que a decisão de escalação seja tomada pelo técnico, todas as escolhas provocam alguma reação, seja dentro ou fora do elenco. O que o profissional, como o Dorival Junior, espera é que as outras duas forças sejam capazes de entender que o seu trabalho está sendo realizado para que o objetivo do clube seja alcançado, neste caso, o Campeonato Brasileiro.

Foto: Reprodução/Coluna do Flamengo

Não é incomum vermos casos em que os jogadores são tratados como estrelas, onde as suas opiniões valem mais do que aqueles que teriam um cargo de hierarquia maior, como é o caso do treinador. Parece que a situação se propaga quando vemos que às vezes um nome é capaz de vender mais do que uma camisa.

O torcedor rubro-negro também repudiou a atitude do atleta, manifestando nas redes sociais o apelo por um pedido de desculpas de Diego Alves para que, assim, a sua permanência no clube fosse mantida. Porém, a sua voz não foi ouvida. Já se foram os tempos que o futebol era digerido para o povo e pelo povo, hoje o cenário se contradiz.