A história de um Imperador

Dia 17 de fevereiro de 1982 em uma família humilde nascia Adriano Leite Ribeiro, que viveu durante sua infância na Vila Cruzeiro, uma das favelas mais perigosas do Rio de Janeiro. Com uma infância repleta de dificuldades, vivenciou de perto a violência que assombra muitas famílias naquele lugar.

Um dos fatos mais marcantes que o atleta presenciou foi quando, com apenas dez anos de idade, em uma das ruas da sua comunidade, ele testemunhou seu pai ensanguentado, após ser atingido com um tiro na testa que quase lhe custou a vida. Situação na qual fez com que a maturidade chegasse em sua vida de forma precoce.

Com tudo favorável para entrar nos caminhos errados, Adriano resolveu seguir seus sonhos e aos 15 anos entrou no Flamengo. Após 3 anos, subiu para o profissional, onde em um ano marcou 12 gols em 46 jogos. No ano seguinte, foi vendido para o Internazionale, onde em seu jogo de estreia já balançou as redes. No período em que esteve por lá, foi emprestado para 3 equipes.

Em 2004, ano no qual Adriano começou realmente a se consagrar no futebol, ele retornou ao Internazionale, onde em 16 jogos marcou 15 gols. Foi convocado pela Seleção Brasileira e participou da Copa América consagrando-se artilheiro e o melhor jogador da competição.

Nesse mesmo ano, Adriano ficou conhecido como “O Imperador”, apelido dado pela torcida italiana, como ele mesmo afirmou em uma entrevista que foi um dos momentos mais felizes da sua vida. Por outro lado, sua vida pessoal mudaria completamente no mesmo ano de grandes conquistas, Adriano perderia seu maior incentivador: Almir, pai do jogador, faleceu aos 45 anos de parada cardíaca, o que abalaria muito o seu psicológico.

Envolvido em algumas polêmicas e perseguido de forma muitas vezes injusta pela imprensa, o menino com os olhos repletos de tristeza viu de perto a depressão tomar conta da sua vida. Mas não perdeu o talento com os pés, o canhoto de chutes fortes e certeiros continuou encantando com o seu futebol.

Passando nove anos, em 2009, ele estava de volta no Flamengo. Ajudou o time a ser campeão brasileiro e mais uma vez foi artilheiro da temporada. Nos anos seguintes, ele passou por clubes brasileiros e estrangeiros. Atualmente, o Imperador se encontra afastado dos gramados, apesar de ir contra a vontade da maioria de seus fãs.

A simplicidade que Adriano vive contraria o que comumente vemos de atletas, o prazer de estar no local onde passou sua infância, andar descalço e sem camisa ser o Didico, como é conhecido na comunidade, não o Imperador, ele mostra que é gente como a gente, se tornou ídolo sem deixar de ser quem ele era. Seria pedir muito querer ter o Imperador em campo para encerrar sua carreira de forma grandiosa?

Divulgação/Instagram @adrianoimperador