Fé no pé, Luis Roberto

Narrar algum esporte não é fácil. Independente da modalidade, esse trabalho é árduo, mas recompensador. Luís Roberto que o diga! Após a Copa, Luís Roberto se agigantou no coração de quem acompanha esporte de tal maneira, que todos já o consideram o sucessor de Galvão Bueno para a Copa do Mundo de 2022.

57 anos de muita luta para chegar aonde chegou. Luís falou em algumas entrevistas que queria ser arquiteto quando criança. Quem diria? Um dos maiores jornalistas e narradores esportivos de hoje, querendo trabalhar em projetos arquitetônicos.

Para a sorte dos amantes do esporte, isso não aconteceu. Hoje, o jornalista é referência no mundo do esporte, e alguns fatores justificam isso com clareza. Um deles é a emoção. Luís Roberto narra aos jogos de uma forma emocionante e ao mesmo tempo precisa. Sem ser exagerado, ele encanta na hora do gol, na hora de um drible, de uma defesa e até mesmo, quando a bola vai longe do gol. É de comparar as narrações de rádio, claro que com toda a adaptação para a TV.

Outro fator que fez com que ele seja um dos grandes nomes da narração é o humor. Não é possível que você assista a um jogo narrado por Luís Roberto, que não saia um sorriso. Por menor que seja. Uma das várias frases ditas por ele que chamou a atenção foi: “Até o apito soar, não faça bobagem, porque o babado é sério”.

Esse humor também vem junto com os bordões. Quem nunca ouviu um “Sabe de queeeeeeeem?” Na Copa da Rússia o bordão virou“Sabe de Kane”, em homenagem ao gol de Harry Kane, pela Inglaterra.

Não tem como não gostar desse homem! Bom humor, voz marcante, bordões, emoção. Se na Copa de 2022 ele será realmente o grande narrador do torneio não sabemos, mas o narrador tem grande potencial para isso. E mais, tem o apoio e carinho de muitos fãs e admiradores. “Fé no pé“ que vai dar certo, Luís.

(Imagem: Reprodução / Globo)