A importância da inclusão do futebol feminino nas escolas

Futebol, também referido como futebol de campo, é um desporto de equipe jogado entre dois times de 11 jogadores cada um e um árbitro que se ocupa da correta aplicação das normas. O jogo tem como objetivo deslocar uma bola através do campo para colocá-la dentro da rede adversária, ação que se denomina gol. A equipe que marca mais gols ao término da partida é a vencedora. Por ser, um dos esportes mais populares do mundo, senão o mais popular, podemos imaginar facilmente a cena de uma partida de futebol: um estádio lotado, um campo e um time de cada lado com jogadores correndo e suando para criar jogadas, defender sua área e atacar a do adversário.

Não sendo novidade para ninguém que o futebol feminino ainda é descriminado em pleno ano de 2018, século XXI, ao imaginar a cena, não importa qual time ou quem seja a personalidade, a imagem sempre é a mesma: um atleta masculino. Enquanto que em alguns países, como por exemplo Alemanha e Estados Unidos, o futebol feminino é bastante valorizado, no Brasil isso ainda é um tabu a ser quebrado. O que é vergonhoso para o país do futebol, já que além da falta de patrocínio, existe a descriminação que as mulheres enfrentam por praticarem o esporte.

Isso se dá ao fato que desde crianças somos ensinados que futebol é coisa de menino, de homem. Como tudo sempre começa pela forma como somos educados e ensinados, algumas escolas buscam trabalhar essa questão, incluindo equipe de futebol feminino e isso tem um resultado positivo. Vale lembrar que as instituições de ensino, muitas vezes acabam contribuindo nessa distinção de: coisas de meninos e coisas de meninas. Assim, é de extrema importância ressaltar que as escolas e instituições e ensino superior também podem ajudar a quebrar essa ideia de distinção que é tão arcaica quanto a prática do esporte.

Além da quebra de tabus e a formação de excelentes atletas que podem brilhar no futuro, é possível fazer a interação das meninas quebrando até mesmo a prática de bullying, é possível também trabalhar a questão do preconceito e machismo, já que nem todos os homens acham futebol feminino chato. Sim, tem homens que admiram as mulheres que praticam o esporte e até admiram uma boa partida de futebol feminino. Mas como o objetivo não atrair ninguém e sim poder ter a liberdade de jogar futebol como hobby e até como profissão, queremos deixar claro que o futebol não é apenas um esporte. Ele é mais que isso, é capaz de aproximar e unir pessoas totalmente diferentes, formar pessoas de bem e, tanto pode, como deve, ser praticado por mulheres.

Foto: Divulgação/ Filme: Ela é o cara