Seleção Brasileira, a renovação da ousadia e alegria

Arthur, Everton, Paquetá e Richarlison. Alguns dos nomes que fazem parte da renovação da seleção brasileira. Jovens que estão ganhando cada vez mais espaço, no Brasil e lá fora, e que também trazem a ousadia e alegria nos pés. E depois de vê-los em campo no primeiro amistoso pós Copa do Mundo contra os Estados Unidos – mesmo que por pouco tempo – tudo indica que Tite irá colocar algum desses como titular contra o El Salvador, no amistoso desta terça-feira, às 21h30, jogo que será em Washington.

Para falar de renovação é preciso começar por Douglas Costa! Mesmo ele sendo um dos mais velhos nomes que estão despontando na renovação da seleção, e mesmo ele já tendo atuado em 2015, 16 e 17 e jogado a Copa da Rússia, é um dos principais nomes e, para mim, o nome que representa a nova cara da seleção Canarinho. Ele, que de certa forma não teve tanto espaço, hoje abre as portas a esta nova geração que vem sedenta por mostrar seu futebol, conquistar o treinador e trazer títulos para a seleção pentacampeã.

E isso ficou muito claro no pouco tempo que ele jogou na Copa, quando mudou totalmente a cara do jogo do Brasil, e ainda mais neste primeiro amistoso, sendo decisivo, criando jogadas, movimentando e se posicionando como se fosse dono da camisa 7 há muito tempo. Mas ok, ele já estava ali, usando a canarinho. E os outros? E a renovação em si? Os outros, meus amigos, já estão pedindo passagem…

Arthur, hoje no Barcelona, já recebe elogios de nada menos que Messi e Luiz Suarez, além dos tantos títulos que conquistou no Grêmio. Tido como substituto de Iniesta ou Xavi, é a classe no meio campo, isso não se discute. Richarlison, que veio para substituir Pedro, lesionado, hoje joga no campeonato mais disputado do mundo, a Premier League, e nos três primeiros jogos já soma três gols. Pedro, do Fluminense, com certeza será parte deste ciclo assim que voltar, e não há dúvidas de que é importante: soma 10 gols em 19 partidas, sem falar que é uma das peças principais do seu atual time.

Depois, Lucas Paquetá! O menino franzino que surgiu no Flamengo em meio aos badalados Vinicius Junior e Vizeu. Hoje um dos principais meias do Brasil! Também tem a cadência do jogo, a alegria, a versatilidade de um bom futebol brasileiro.

E o que falar do Everton, “Cebolinha”? Este sim, um dos mais novatos a despontar no futebol brasileiro e ser reconhecido já mundialmente. Assim como a própria FIFA mencionou, pós convocação do Tite, ele tem “faro de gol” e já é “observado pelos times de Manchester”. Ele foi o destaque da análise da Fifa que mencionou sobre a renovação da Seleção Brasileira. Não são só os títulos que ele já tem pelo Grêmio, é o ótimo desempenho do final do ano passado e que segue mais forte ainda este ano! Eu ainda o vejo como um dos mais bem preparados para vestir a Canarinho, por sua garra, sua tranquilidade em jogar um Gauchão, Brasileiro, Libertadores, Mundial ou Recopa. Parece que não importa a competição, é o mesmo futebol, suado, inteligente, alegre, ousado.

Ousadia e alegria. Te lembra alguma coisa? Claro, Neymar, Coutinho e Gabriel Jesus. Os principais alicerces desse novo ciclo! Poxa, e que ciclo! Por que não voltar a ter esse lema na seleção? Não é exatamente isso que queremos? Um futebol ousado e alegre, aliado a inteligência e maturidade? É, e é o que teremos! Neymar e Gabriel Jesus com sede de renovar suas imagens pós Copa. Mais maduros, com certeza, juntos de Coutinho mais experiente, do jogo, da marra. Imagina daqui 4 anos?

Aliado a todos estes já comentados no texto, ainda temos Firmino, Casemiro, Thiago Silva, Marquinhos, entre tantos outros que integram esse ciclo de balanço entre transição e renovação. Por que não dar um voto de confiança a ousadia e alegria que sabemos que a maioria destes têm? Alguns nomes de 2018 ficarão, é necessário e ainda têm muita bola pra jogar! Outros novos nomes poderão surgir, ainda é cedo. Mas é o novo ciclo, novo processo que já iniciou, e meus amigos, iniciamos muito bem!

Foto: Lucas Figueiredo/CBF