Unidos pela solidariedade

Não é só futebol. Eu sei, a frase é clichê e torna-se repetitiva, mas somente a frase, porque o significado dela é realmente verdadeiro. Por trás de uma modalidade esportiva, de clubes e times, existem histórias lindas, motivadoras e, principalmente, existem pessoas que tiveram suas vidas melhoradas. Hoje eu venho falar sobre mais um ato de amor em meio ao futebol. Se me permite, eu peço que leiam com o coração, pois o texto será um pouco diferente, mas eu prometo que será muito especial. Agora, deixo aqui nessa linha a Mariana colunista do Rainhas e, na próxima, dou lugar a Mariana torcedora do Bahia e representante de um projeto social voltado para crianças órfãs de Salvador, o Educriart.

Oi, já me apresentei, não é? Agora eu vou te contar como meu amor pelo futebol me ajudou e me surpreendeu mais uma vez. Aqui onde eu moro, em Salvador, faço parte de um projeto social que ajuda crianças abandonadas. Nós realizamos ações nos orfanatos com muita brincadeira, doações e, principalmente, amor e carinho. Como não possuímos ajuda governamental, nós procuramos voluntários que estejam dispostos a nos ajudar, e foi por meio dessas divulgações e buscas que aconteceu. Como torcedora apaixonada do Bahia, eu nunca imaginei poder unir essas duas coisas: meu projeto e meu time. Ou meu time apoiando o meu projeto. É surreal de escrever, quem dirás de imaginar que aconteceu.

Essa semana recebemos uma mensagem em uma das nossas plataformas da coordenadora das líderes de torcida do tricolor baiano disposta a nos ajudar e divulgar nosso trabalho nas redes do time. Além disso, o gerente de marketing disponibilizou os mascotes, o super-homem e a mulher maravilha para alegrar ainda mais nossas visitas aos orfanatos. E não para por aí: durante o mês de setembro, o Educriart terá um ponto de coleta na Arena Fonte Nova nos dias em que o Bahia jogar em casa. Com toda visibilidade que isso nos trouxe, o perfil do projeto cresceu, mais pessoas divulgaram e, assim, mais propostas de doações apareceram.

Viu? Não é só futebol, vai além dos 45 minutos! Quando o desejo de fazer o bem entra em campo, todo time é vencedor e a partida vale muito mais, e como vale. O futebol muda vidas, constrói histórias, e eu sei que vai mudar a realidade árdua de muitas crianças que serão beneficiadas com tudo isso. A solidariedade entrou em campo e marcou um golaço!

Foto: Divulgação/Educriart