Até quando?

Por: Paloma Stuchi

Quantos textos vão ser precisos para que o mundo entenda que as mulheres tem o direito de gostar de futebol? Essa semana outra demonstração de preconceito apareceu, desta vez na torcida da Lazio na Itália. Os torcedores que se dirigiram as primeiras fileiras de um setor muito popular no Estádio Olímpico de Roma se depararam com um panfleto colado no acento dizendo: “Nós não admitimos mulheres, esposas e namoradas, então nós convidamos você a se posicionar a partir da 10° fila”. O clube logo se manifestou através de um comunicado oficial dizendo repudiar esse tipo de atitude.

Mas no fundo nós sabemos que o clube não tem culpa nisso. A culpa está lá na arquibancada, ou melhor, dentro do ser humano que ali está ocupando um acento e dizendo que o time é o seu “amor”. Mesmo dizendo sentir todo esse amor, no seu pensamento está um sentimento de ódio e incomodo por ter uma mulher do seu lado gritando e expressando esse mesmo amor.

Hoje nós seres humanos apreendemos a conviver com tantas barbaridades, mas por que não conseguimos conviver com uma coisa tão simples? Agora só pelo fato de ser do sexo oposto devemos ir ao estádio e nos sentar nas fileiras mais distantes para não atrapalhar o seu momento, sendo que esse também é o meu momento? Não. Você deve conhecer aquele velho ditado: “Os Incomodados que se mudem”. Compre você o ingresso mais longe. Nós não vamos aceitar esse tipo de comentários e “ordens”, vamos continuar firmes e fortes na primeira fila e você vai ter que se acostumar cada vez mais a ter uma linda mulher torcendo para o mesmo time que você.

Foto: Divulgação/Twitter