Um esporte que é capaz de curar

Por: Vittoria Catarina

Entre tantos desastres que ocorrem no mundo, o futebol é um esporte que é capaz de nos fazer acreditar que nem tudo está perdido. Não se trata do jogo em si, ainda que esse tenha igual capacidade para nos ensinar alguns ideais que podemos levar para a vida. É muito mais, é a criança que chora ao ter contato com algum jogador, possivelmente o momento mais marcante da sua infância. É um adulto que chora, esse por estar alegre ou triste, não importa. Acima de tudo, chora pelo amor que sente. É também a pessoa que se sente limitada na vida, mas ali vive o momento da forma mais íntegra possível.

O futebol é capaz de unir vidas, nações, um mundo inteiro. Eu te desafio a tentar encontrar uma pessoa dentro de um estádio que esteja pensando em outra coisa naquele momento: problemas, perdas, dificuldades, qualquer coisa. Dificilmente você vai conseguir encontrar essa pessoa, não é possível. Principalmente em uma geração tão impotente e tecnológica, o futebol preserva algo que o ser humano precisa para viver: o contato e a interação humana. É muito mais do que assistir 22 jogadores em campo, é estar cercado por milhares de pessoas que estão voltadas para a mesma coisa que você.

Entre derrotas e vitórias, aprendemos que precisamos seguir sempre em frente e que novas oportunidades surgirão. Mais do que isso, aprendemos que é possível sim estar feliz pela sua conquista, mas triste pela derrota do seu amigo, porque a vida é isso: nem todo mundo sai vencedor. Só que a nossa jornada é muito mais do que um momento, é a forma como você aprende a cair, a se reinventar e a levantar. É olhar para o outro e se inspirar, sem invejar. É acreditar que com determinação, você pode se tornar muito mais do que as pessoas acreditavam.

É respirar fundo quando o mundo está desabando, quando milhares de olhos podem te olhar com desaprovação. O futebol é humano e por isso está cercado de críticas, porque as pessoas estão acostumadas a fazer isso. Mas igualmente, por ser humano, é cercado por emoções das mais intensas, porque as pessoas são feitas de sentimentos. É se levantar, porque o amor cura e a dor faz a fortaleza. É sentir que você pode ser feliz por aquele jogador que você nunca viu na vida, porque torcer por um mundo melhor, é ter a capacidade de reconhecer que não é só você que faz parte dele.

Foto: Douglas Magno/AFP