Sim, futebol é coisa de mulher!

Por: Kenia Soares

A presença feminina nos estádios abrilhanta a torcida. Aliás, a própria expressão carrega um toque feminino. Como assim? O termo “torcedoras” surgiu em Laranjeiras, no início do século XX, onde as mulheres, que assistiam aos seus pais, maridos ou filhos, em seus jogos, torciam as luvas e lenços a cada momento de tensão.

No início do século passado, Dona Alice, mãe de Mário Neves, um dos fundadores do Atlético-MG, criou, de maneira informal, a primeira torcida organizada que se tem relatos, dando início ao que temos hoje como uma família de corações que batem por um mesmo escudo.

Desde o início as mulheres estão presentes no mundo futebolístico, começando timidamente pelas arquibancadas e estendendo presença aos gramados, demonstrando que sua força não está somente na voz, no peito, ela se estende também aos seus pés.

Apesar das mudanças estabelecidas ao longo dos anos e de 80% das mulheres torcerem para algum time, apenas 30% acompanham de perto campeonatos e jogos. Ainda que não aparente, essa porcentagem é grande comparada aos anos anteriores, devido principalmente a quebra de padrões e esteriótipos de torcedores, que antes eram predominantemente masculinos. Só que como temos observado, o cenário tem mudado. Além do mais, futebol é coisa de quem ama, não visa separação de gêneros, é luta no campo e fora dele. Então, sim, futebol é coisa de mulher!

Foto: Ricardo Brasileiro