Nós precisamos falar de Ángel Romero

O nome é Ángel Romero. A idade é 26, um número a menos do que a quantidade de gols que o atacante tem dentro da Arena Corinthians. Artilheiro isolado do estádio que também marca na história seus 37 gols com a camisa alvinegra, fazendo parte da lista dos 10 maiores artilheiros do clube em Campeonatos Brasileiros, ultrapassando Ronaldo Fenômeno, com 35. O paraguaio mais querido da Fiel e dos cartoleiros que o escalam, já que sua soma só no mês de julho é de 50.50, liderando o ranking da mitagem. Autor de 6 gols em 3 jogos, com direito a hat-trick na goleada do Timão, de virada, sobre o Vasco por 4 a 1. Partida essa que fez o jornal espanhol Sport, da Catalunha, garantir que Messi tem um sucessor. Que responsabilidade, não?

É, nós realmente precisamos falar do Romero. Que momento está vivendo o camisa 11 do Corinthians! Alvo de críticas e piadas da grande maioria dos torcedores rivais, que não consegue ver o bom futebol que o atacante tem para apresentar a todos que amam esse esporte. Preferem perder tempo criando zoeiras a reconhecerem que Ángel tem qualidade e, além disso, tem raça, vontade, coisas que toda torcida implora aos jogadores que atuam pelo seu clube do coração.

É difícil aceitar, não é? Eu sei. Como pode um jogador desacreditado por todos, com exceção da Fiel, estar vivendo essa fase no maior rival? “Nossa, mas que momento o de vocês, hein… Com Romero de ídolo”, eles dizemsemnunca perder a ironia. É, povo, Ángel Romero é o nome dele! Sim, é quem a gente idolatra e tem orgulho de dizer que joga pelo nosso Corinthians. É ele quem corre por dois, marca por dois, pula por dois para conseguir aquele gol de cabeça em que disputa com um zagueiro mais alto e que é, teoricamente, mais forte. É ele quem perde a bola e não desiste da jogada, dá chapéu, caneta, finge que vai pegar a bola com a mão e até imita a famosa foca. É de matar de raiva, não é? Mais uma vez: eu sei!

E o que eu tenho a dizer? Obrigada! Obrigada ao Corinthians por manter esse mito no elenco, obrigada ao Romero por ficar e se superar a cada dia, dar a vida em cada lance e guardar o seu sempre que possível e, claro, obrigada aos rivais que ocupam o tempo procurando coisas que possam servir de piada para falar dele… Imagina só se começam a reparar no futebol e querem levá-lo de nós, não é?

Para finalizar, deixo um trecho de um texto do jornalista Mauro Beting, escrito após a vitória do Corinthians sobre o Cruzeiro por 2 a 0, e nem preciso dizer quem foi o autor dos gols: “Romero. O cara que joga por 10 e pouca gente dá bola. O atacante que marca como zagueiro e ninguém dá pelota. O sujeito que se sujeita a tudo para jogar pelo time. O jogador que quando faz um lance que ele sabe fazer vira meme. Um cara que merece respeito. Espaço. E reconhecimento”.