Medalhão X Estudioso

Por: Paloma Stuchi

A contratação de Felipão pelo Palmeiras, depois do fatídico 7×1 trouxe a tona toda essa discussão. E você prefere um técnico medalhão com vários títulos na bagagem e muito controle do vestiário? Ou um técnico muito estudioso que precisa de varias derrotas pra arrumar o time e tentar uma virada histórica?Dois técnicos “estudiosos” foram demitidos em um curto espaço de tempo em dois grandes clubes paulistas. Jair Ventura pelo Santos e Roger Machado pelo Palmeiras. Os dois são considerados da geração apelidada pela mídia de “estudiosos”. Mas o que seria essa geração? Tudo começa na questão de idade.

Por serem mais novos a maioria desses técnicos tem o perfil de treinadores com tempo para estágios na Europa e até mesmo para uma faculdade de educação física. Falar outro idioma e entender de técnicas é apenas um mero detalhe pra eles. Eles vão para o clube com uma verdadeira equipe de trabalho. A comissão especialista em dados do clube ou dos rivais, trás informações detalhadas sobre os jogadores. Isso faz com que os técnicos ganhem destaque no mercado. Essa moda se deu inicio com as técnicas de Pep Guardiola que fez o Barcelona virar o time do sonho de qualquer torcedor. As técnicas usadas por ele encantaram e encantam a todos. Sabendo usar elas da melhor maneira onde passa, Pep consegue conquistar os maiores títulos propostos para as suas equipes. Ele mostrou isso treinando três clubes totalmente diferentes: Barcelona, Bayern De Munique e agora o Manchester City.

Já os técnicos “medalhões” são aqueles que já estamos acostumados. Com toda certeza do mundo um deles já passou pelo seu time e fez historia. A grande vantagem que tem se provado, aqui no futebol brasileiro principalmente, é que o trabalho do “medalhão” consegue se concretizar muito mais rápido do que o apresentado pelo estudioso. Isso chega a ser engraçado, porque para um cara que não esta “acompanhando” o desenvolvimento dos técnicos, com os recursos já citado a cima, chegar a um clube novo e apenas em alguns treinos acertar o time de uma forma inexplicável parece mesmo um passe de magicas.

Muitos são contra a contratação de técnicos já consagrados, mas o técnico Renato Gaúcho é a prova maior que isso dá certo. Quando fez a contratação, o time do Grêmio sofreu varias criticas por estar contratando um “ultrapassado” que só sabia jogar futevôlei na praia. Em quantos programas isso era passado diariamente? Estava até chato. Só que o Grêmio não voltou atrás em nenhum momento e confiou firme e forte na escolha que tinha feito, e digamos que essa escolha deu um dos melhores frutos: a tão sonhada Libertadores da América, o Mundial de Clubes contra o Real Madrid, quem iria imaginar? E tudo isso foi com um técnico “ultrapassado”. E você, qual prefere?