Juju Gol: uma legítima rainha do drible

ESPN

Falta de investimentos, pouca visibilidade e preconceito, isso são algumas das barreiras enfrentadas por mulheres que escolhem jogar futebol no Brasil. A maioria delas não chegam a sequer ser federadas e as que conseguem, recebem menos de um salário mínimo, sem contar a falta de interesse dos patrocinadores devida a baixíssima divulgação e visibilidade com o futebol feminino.

Dentre todas essas dificuldades, venho apresentar a vocês, talvez, nossa luz no fim do túnel: Julia Rosado. Uma menina de oito anos que carrega consigo uma responsabilidade de gente grande. Juju gol, como é conhecida, é a única menina brasileira que pode disputar competições oficiais de futebol contra meninos e é a nova aposta para o futebol feminino.

Julia nasceu no Rio de Janeiro, é federada pela Federação de Futsal do Estado do Rio de Janeiro (FFSERJ), além de ser filiada à Confederação Brasileira de Futebol de Salão (CBFS) e à Federação Internacional de Futebol (FIFA), veste a camisa do Grau 10 e da Escolinha do Barcelona onde treina e joga com meninos, e também defende o time feminino do Centro Olímpico, em São Paulo.

Recentemente a pequena atacante estava atuando pelo Barcelona na Disney Cup, um torneio organizado pela Disney Enterprises em parceria com a ESPN, em Orlando, no complexo esportivo dentro do Walt Disney World® Resort, onde foi a única menina selecionada para jogar pelo FBC escola Brasil, a atacante disputou junto ao seu time a final neste domingo (22) e trará para o Brasil o vice-campeonato.

Juju em seu instagram diz que é uma alegria imensa disputar uma competição de tal porte, ainda por cima marcando gols. “Volto para o Brasil, muito melhor que cheguei aqui, e o futebol feminino volta comigo muito maior também…”, declarou a atacante.

Sua viagem foi uma grande experiência para a menina e segundo Pedro Henrique Santos, coordenador do Barcelona, “o torneio tem sido importante para que ela evolua ainda mais como uma jogadora, superando as adversidades que estão sendo apresentadas a cada rodada. A Juju tem se saído muito bem e, com certeza, terá uma evolução considerável na volta para o Brasil, o que será fundamental no seu processo evolutivo como atleta de futebol”, revelou em entrevista para o espnW antes da final.

A pequena jogadora é o xodó de vários craques renomados como Amoroso, Fred, Rafael Moura, Andressa Alves e, sua madrinha no futebol, Cristiane. Apesar da pouca idade, demonstra uma maturidade de gente grande e empoderamento feminino é a sua bandeira, luta pelo reconhecimento das meninas no esporte.

instagram @jujugol

O que o futebol feminino precisa é de apoio, como foi demonstrado nas Olimpíadas de 2016, onde seu público chegou a 270 mil torcedores, como Marta (eleita cinco vezes a melhor jogadora do mundo) disse em entrevista quando a seleção foi eliminada “não deixem de apoiar o futebol feminino”. Nossas meninas são capazes e merecem todo o reconhecimento, e conhecendo a história de nossa Juju Gol, minha bateria foi carregada e minha vontade de lutar pelo reconhecimento das meninas que são apaixonadas por futebol ficou ainda maior.

Julia é um orgulho e exemplo para as meninas que estão correndo atrás dos seus sonhos dentro do futebol feminino e todos os dias são recebidas com dificuldades e são postas a prova com as inúmeras barreiras que precisam enfrentar. Para essas sonhadoras, eu digo: sejam firmes, pois esse esporte, que há muito tempo rotularam como masculino, tem espaço para vocês; sejam corajosas para enfrentar aqueles que desacreditam de vocês e tentam te colocar pra baixo, vocês são capazes! Obrigada Juju, por nos mostrar que meninas podem jogar de igual para meninos e que todas nós somos capazes de estar no âmbito esportivo e sermos respeitadas por nossa competência e habilidade.

Julia Rosado, guardem bem esse nome, pois ela está driblando não só em campo, mas também está driblando o preconceito.