A magia da Copa do Mundo

A cada quatro anos entramos em uma atmosfera diferente durante um mês. Não é por causa das eleições presidenciais, de governadores, senadores ou deputados. É um momento mais leve, em que torcemos, cantamos e choramos com derrotas ou vitórias. Apesar de nem todas as pessoas gostarem de futebol ou política, essas são duas coisas andam juntas.

Não é porque alguém deixa de viver esses dias de fan fest, reuniões em bares, clubes ou em família para assistir os jogos que ela não entende a importância do esporte. Ela, simplesmente, pode não gostar e devemos respeitar. Respeitar, pois todos nós devemos nos lembrar que o futebol, além de uma brincadeira de criança é uma ferramenta de transformação social.

É nele que muitos meninos e meninas crescem depositando esperança, a vontade de ter dias melhores e de que todos os problemas do mundo acabem. É ele também que tira muitos das ruas, muda a realidade de nações, dá emprego, tira da fome e melhora nosso dia depois de 90 minutos de dribles e belos gols.

Um mês. Não vamos ser ignorantes e deixar de sermos felizes durante esses trinta dias porque o país está em crise, com gasolina alta, violência de todos os tipos crescendo ou porque políticos corruptos existem. Também, não vamos cair na lábia do Pão e Circo de olho no espetáculo dentro das quatros linhas e ficar cegos para o que acontece fora delas.

Vamos esquecer um pouco de reclamar de tudo e todos e viver, mesmo que por um curto período de Copa, dias de alegria. Dias de curtir com a família, amigos, de sair mais cedo do trabalho e beber umas cervejas vendo as partidas do mundial e fazer piadas. Não vamos esquecer de nos enfeitar, pintar a cara, as ruas, pendurar bandeirinhas, participar de bolões e nos divertir.

Depois disso tudo, com a cabeça mais leve, vamos se Deus quiser comemorar o Hexa e voltar a rotina para continuar na luta por dias melhores. Seja pelo futebol. Seja pelo voto nos meses seguintes. Por fim, que não deixemos em nenhum momento de ter brilho nos olhos por causa de nossos problemas e de esquecer da magia da Copa do Mundo.

Crianças brincando de futebol na rua enfeitada - Getty Imagens